Cloridrato de Fluoxetina para que serve? Emagrece? Efeitos Colaterais

A depressão é uma doença séria e como tal, merece um tratamento adequado e bem estruturado a fim de controlar o quadro depressivo. O Cloridrato de Fluoxetina é justamente para isso, bem como para outras condições psicopatológicas.

Então, para saber mais sobre esse medicamento, continue lendo e descubra tudo o que você precisa saber sobre ele. Vamos lá?!

Para que serve o Cloridrato de Fluoxetina

O Cloridrato de Fluoxetina é um medicamento que serve para tratar a depressão, seja ela associada com a ansiedade ou não.

Esse fármaco ainda é serve para o tratamento:


  • Do TOC (transtorno obsessivo compulsivo)
  • Da bulimia nervosa
  • Do TDPM (transtorno disfórico pré-menstrual, incluindo a TPM (tensão pré-menstrual)
  • Disforia.

Como funciona o Cloridrato de Fluoxetina

Esse medicamento pertence à classe dos inibidores seletivos da receptação de serotonina e sua administração deve se feita por via oral.

Como usar o Cloridrato de Fluoxetina

Independentemente da indicação, o limite máximo diário é de 80 mg por dia. As doses acima de 20 mg por dia deve ser divididas em duas, administradas uma pela manhã e outra à noite. Também pode ser necessário aumentar a dose depois de algumas semanas de tratamento caso uma melhora não seja percebida.

Cloridrato de Fluoxetina Cápsulas

  • Depressão maior: 20 mg por dia (2 cápsulas de 10 mg ou 1 cápsula de 20 mg).
  • Síndrome ansio-depressiva: 20 mg por dia (2 cápsulas de 10 mg ou 1 cápsula de 20 mg).
  • TOC: de 20 a 60 mg por dia ( de 2 a 6 cápsulas de 10 mg e de 1 a 3 cápsulas de 20 mg).
  • Bulimia nervosa: 60 mg por dia (6 cápsulas de 10 mg ou 3 cápsulas de 20 mg).
  • Obesidade: 60 mg por dia (6 cápsulas de 10 mg ou 3 cápsulas de 20 mg).
  • TDPM: 20mg por dia, durante todos os dias do ciclo menstrual ou de forma intermitente (com início 14 dias antes do dia em que está previsto o início do ciclo, até o dia do primeiro fluxo)

Cloridrato de Fluoxetina em gotas

  • Depressão maior: 20 mg por dia (20 gotas).
  • Síndrome ansio-depressiva: 20 mg por dia (20 gotas) ou meia dose, que é 10 mg por dia (10 gotas).
  • TOC: de 20 a 60 mg por dia (de 20 a 60 gotas por dia).
  • Bulimia nervosa: 60 mg por dia (60 gotas).
  • Obesidade: 60 mg por dia (60 gotas).Cloridrato de Fluoxetina

Em pacientes que idosos ou que possuem disfunções hepáticas e/ou renais é preciso considerar o uso da dose mais baixa ou recorrer a uma administração menos frequente.

Composição

Cada cápsula de Cloridrato de Fluoxetina 10 mg contém:

cloridrato de fluoxetina*……………11,2 mg

excipiente** q.s.p…………….1 cápsula.
* equivale a 10 mg de fluoxetina
** celulose microcristalina, estearato de magnésio

Cada cápsula de Cloridrato de Fluoxetina 10 mg contém:

cloridrato de fluoxetina*…………..22,40 mg

excipientes q.s.p.**……………1 cápsula
* equivalente a 20 mg de fluoxetina.
** estearato de magnésio e celulose microcristalina

Cada mL da solução oral de Cloridrato de Fluoxetina contém:

cloridrato de fluoxetina*…………….. 22,4 mg

veículo q.s.p. ……………….. 1 mL
*equivalente a 20 mg de fluoxetina
(ácido cítrico, aroma de pêssego, edetato dissódico di-hidratado, metabissulfato de sódio, propilenoglicol, sacarina sódica di-hidratada, água deionizada).

 

Contraindicação

Cloridrato de Fluoxetina é contraindicado para pacientes que apresentem reação de hipersensibilidade a qualquer um dos componentes de sua fórmula.

É contraindicado também para pacientes que façam uso de IMAOs (inibidores da monoamino oxidase), sejam reversíveis ou não. Nessa situação, é recomendado que o paciente espere 14 dias da suspensão do tratamento para começar o uso de Cloridrato de Fluoxetina.

Além disso, quando o Cloridrato de Fluoxetina  for prescrito em altas doses ou em tratamentos crônicos, é preciso esperar ao menos 5 semanas para inicial um tratamento com IMAO.

Isso porque a combinação dessas substância pode ocasionar o aparecimento de reações adversas bastante graves.

Cloridrato de Fluoxetina não é indicado para pacientes com menos de 18 anos de idade.

Efeitos colaterais do Cloridrato de Fluoxetina

No decorrer do tratamento, as principais reações adversas são a falta de apetite, diarreia ou náuseas.

O paciente deve evitar operar máquinas e dirigir até que esteja seguro de que o uso do medicamento não afeta o seu desempenho, visto que o uso do Cloridrato de Fluoxetina pode alterar a capacidade de julgamento, ação e pensamento de quem está sendo tratado.

Além disso, foram relatadas as seguintes reações indesejáveis decorrentes do uso do Cloridrato de Fluoxetina:

  • Distúrbios gastrintestinais: diarreia vômitos, náusea, indigestão disfagia, alteração no paladar, hepatite idiossincrática rara.
  • Sistema endócrino: excreção inapropriada de ADH
  • Sistema linfático: equimose (estrias arroxeadas na pele)
  • Sistema nervoso: acatisia, agitação motora, temor e movimentos anormais, desequilíbrio, síndrome buco glossal, mioclonia, tremor, perda ou falta de apetite, nervosismo, anorexia, perda de peso, ansiedade, palpitação, fadiga, vertigem, astenia, sonolência, alteração do raciocínio e concentração, reação maníaca, sonhos anormais, insônia, convulsões e pensamentos suicidas raros.
  • Sistema respiratório: bocejo.
  • Distúrbios de pele: alopecia (perda de cabelo).
  • Órgãos e sentidos: visão turva, midríase (dilatação da pupila)
  • Distúrbios do sistema urogenital: incontinência urinária, dor ou dificuldade para urinar (disúria), priapismo (ereção persistente e dolorosa), perda da libido, dificuldade de ejaculação, anorgasmia, impotência.
  • Gerais: boca seca, vasodilatação, sudorese, calafrios, prurido (coceira), hipersensibilidade, erupção cutânea, urticária, reações anafilactoides (reação alérgica grave), vasculite (inflamação dos vasos sanguíneos), angioedema (coceira e inchaço das camadas cutâneas mais profundas), síndrome serotonérgica, fotosenssibilidade, eritema multiforme (lesões avermelhadas na pele).

Podem haver sintomas de abstinência, especialmente quando a interrupção do tratamento for deita de forma abrupta. Esses sintomas mais frequentes são distúrbios sensoriais (parestesia), insônia, ansiedade, agitação, vômitos, náusea, cefaleia

Vale lembrar que esses sintomas descritos podem ser moderados ou leves, sendo graves e prolongados em apenas alguns pacientes.

Por isso, o mais aconselhado é que a descontinuação do tratamento seja feita de forma gradual, com diminuição da dose aos poucos.

Superdosagem

Normalmente há uma evolução favorável nos casos de superdosagem com Cloridrato de Fluoxetina isolado.

Os sintomas decorrentes de uma superdose podem incluir vômitos, náuseas, disfunção cardiovascular (podendo variar de arritmia assintomática até parada cardíaca), convulsões, sinais de alteração do SNC (Sistema Nervoso Central) e disfunção pulmonar.

São bastante raros os casos relatados de superdose decorrente do uso de Cloridrato de Fluoxetina.

Para o tratamento desses casos, não existe um antídoto especifico e provavelmente não se obterá benefícios com a diurese forçada, hemoperfusão, diálise ou transfusão.

Por isso, o indicado é o monitoramento dos sinais vitais e cardíacos, concomitantemente com medidas de suporte sintomáticas gerais. Ainda deve ser considerada a possibilidade da utilização de múltiplas drogas.

Precauções

Cloridrato de fluoxetina para que serve?

O quadro depressivo pode caracterizar a possibilidade de uma tentativa de suicídio.

Tal como alguns outros antidepressivos, há relatos de alguns casos isolados de comportamento e ideação suicida no decorrer do tratamento ou em seguida que o tratamento foi interrompido.

É importante lembrar que a relação causal exclusiva desse comportamento com o uso de Cloridrato de Fluoxetina, a avaliação de diversos antidepressivos indica que ocorre um aumento potencial desses comportamentos e ideias suicidas em pacientes em idade pediátrica.

É imprescindível consultar o médico, independentemente da idade do paciente, caso haja o relato de qualquer pensamento suicida durante o tratamento.

O médico também deve ser informado caso o paciente esteja utilizando qualquer tipo de medicamento, mesmo sem prescrição médica. Considerando também o período antes de iniciar o tratamento com Cloridrato de Fluoxetina.

Pacientes com histórico de convulsões

Em pacientes com histórico prévio de convulsões o Cloridrato de Fluoxetina deve ser administrado com cuidado, tal com os demais antidepressivos.

Pacientes com diabetes

Existem relatos de hipoglicemia em pacientes com diabetes no decorrer do tratamento com Cloridrato de Fluoxetina. Já depois da suspensão do tratamento foram relatados casos de hiperglicemia nesses pacientes.

Sendo assim, pode ser necessário realizar um ajuste na dose de insulina ou de hipoglicemiantes orais no decorrer do tratamento e também depois de sus suspensão.

Pacientes Idosos

Não foi relatada qualquer diferença na eficácia do tratamento com Cloridrato de Fluoxetina entre jovens e idosos. No entanto, uma sensibilidade maior por parte dos idosos não deve ser excluída.

Crianças

Ainda não foi estabelecida a eficácia do Cloridrato de Fluoxetina em pacientes em idade pediátrica (crianças)

No decorrer do tratamento o paciente deve evitar operar máquinas e dirigir veículos visto que o uso do medicamento pode prejudicar as habilidades e a atenção. Isso deve ser mantido até que o paciente se assegure que não houve comprometimento.

Uso de Cloridrato de Fluoxetina na gravidez e lactação

Os estudos feitos em animais no decorrer da gestação não apresentaram qualquer efeito negativo no desenvolvimento embrionário ou fetal. No entanto, os estudos em humanos não são suficientes, então, é preciso que o médico avalia cuidadosamente a relação entre o risco e o benefício envolvidos para a mãe e o feto.

Visto que pode ser excretado através do leite materno, o Cloridrato de Fluoxetinanão deve ser administrado em lactantes, mesmo que não tenham sido relatados efeitos indesejáveis nos lactentes.

Sempre informe ao médico caso esteja grávida ou amamentando.

Interação do Cloridrato de Fluoxetina com outros remédios

Esse medicamento deve ser administrado de forma cautelosa em pacientes que estejam fazendo uso dos seguintes fármacos:

  • Medicamentos metabolizados pelo subgrupo específico das enzimas feitas pelo fígado (Sistema P4502D6). Por isso, sempre consulte o médico para ter mais informações sobre essa classe de medicamentos.
  • Medicamentos ativos do SNC, como carbamazepina, imipramina, fenitoína, alprazolam, diazepam, haloperidol, lítio, clozapina e desipramina, bem como as substâncias que se ligam às proteínas presentes no plasma, como ácido acetilsalicílico, varfarina, AINEs (anti-inflamatórios não esteroidais).

Quando utilizado concomitantemente com tratamento eletroconvulsivo, houveram relatos de convulsões prolongadas.

Além disso, o Cloridrato de Fluoxetina não deve ser administrado juntamente com tioridazina visto que há um aumento no risco de que ocorram efeitos indesejáveis. Nesses casos, é importante que haja, pelo menos, 5 semanas de intervalo após a suspensão do uso de Cloridrato de Fluoxetina antes de iniciar o uso com tioridazina.

Cloridrato de Fluoxetina Preço

Para comprar esse medicamento é necessária a apresentação de receita médica C1 branca de 2 vias. Seu preço pode variar de acordo com a região na qual você se encontra e o local escolhido para a compra.

No entanto, na internet, a caixa com 30 cápsulas de 20 mg pode ser encontrada por valores entre R$ 25 e R$ 27 reais.

 

Pergunta dos leitores

Cloridrato de Fluoxetina emagrece ou engorda?

Cloridrato de fluoxetina emagrece ou engorda

Normalmente o uso desse medicamento faz com que o paciente emagreça. Mas, existe uma grande chance de voltar a engordar quando o tratamento for suspenso. No entanto, em alguns pacientes essa substância leva ao aumento de apetite e consequente ganho de peso. Ou seja, o resultado vai depender do organismo de cada pessoa.

Para que serve realmente o Cloridrato de Fluoxetina?

Esse medicamento serve para o tratamento da depressão e outras condições como bulimia nervosa, TOC, TDPM, TPM, irritabilidade e disforia.

Cloridrato de Fluoxetina da sono?

A sonolência é um dos efeitos colaterais do uso desse medicamento que acontece com 5% a 17% dos pacientes que fazem uso do mesmo.

No entanto, a insônia também é uma das reações adversas descritas, logo, depende do organismo de cada paciente.

Cloridrato de Fluoxetina serve para ansiedade?

Visto que esse é um medicamento indicado para tratar várias psicopatologias, sim, a ansiedade pode ser tratada de forma eficiente com o uso de cloridrato de fluoxetina.

No entanto, vale lembrar também que a ansiedade é uma das possíveis reações adversas decorrentes do uso desse medicamento. Sendo assim, pessoas que já sofrem com esse problema e acabam apresentando essa reação adversa podem ter o seu quadro de ansiedade intensificado.

Pronto, agora você já sabe um pouco mais sobre Cloridrato de Fluoxetina, como age, suas indicações e como deve ser utilizado.