Clorpromazina Bula – Para Que Serve? Como Usar? Efeitos Colaterais!

Clorpromazina é um medicamento neuropsiquiátrico. Tem apresentação em comprimidos revestidos, gotas ou solução injetável. É indicado para o uso adulto ou pediátrico.

Para que serve o Clorpromazina (Indicações)

Clorpromazina está indicado para diferentes situações. Em Neuropsiquiatria é recomendado para o tratamento de quadros agudos psiquiátricos. Também funciona como forma de controlar episódios de psicoses de longa duração.


Em Clínica Geral está indicado para controlar manifestações de agitação e ansiedade. Também está recomendado para quadros de soluços persistentes, vômitos e náuseas, neurotoxicoses infantis. Ainda pode ser empregado de forma associada a barbitúricos para tratar o tétano.

Em quadros de cirurgias pode ser usado como um agente pré-anestésico cirúrgico. Já em obstetrícia, está indicado como analgésico para casos de eclampsia.

A Clorpromazina ainda está recomendada em quadros onde exista a necessidade de medicamentos com ação vagolítica e   neuroléptica. Também funciona como medicação com efeitos sedativos, simpatolíticos ou antieméticos.

Como funciona o Clorpromazina

Clorpromazina exerce uma ação de estabilizador do sistema nervoso central e periférico. Além disso, exerce efeitos depressores seletivos do sistema nervoso central. Assim, permite o controle de excitações de variados tipos. É um medicamento de amplo espectro no tratamento de perturbações emocionais e mentais.

A medicação ainda apresenta propriedades vagolíticas, neurolépticas, sedativas, simpatolíticas e antieméticas.

Ele passa primeiramente pelo trato gastrintestinal. Tem a sua metabolização nos rins, via formação de metabólitos ativos e inativos. Ainda apresenta reciclagem êntero-hepática. Já sua excreção é realizada pelas fezes e pela urina.

pessoa com problemas psicológico

Como usar o Clorpromazina

gotas

A posologia recomendada em gotas é:

  • Adultos: As doses podem variar de 25 a 1600 mg ao dia, de acordo com o quadro do paciente. De qualquer forma, o tratamento com Clorpromazina deve ser iniciado com doses baixas, de 25 a 25 a 100 mg. As doses devem ser repetidas de  3 a 4 vezes ao dia.

A dose máxima é de 2 g ao dia. Essa dose pode atingida até o controle dos sintomas apresentados pelo paciente. A maioria dos usuários responde à dose de 0,5 a 1 g ao dia. Já pacientes debilitados ou idosos devem fazer uso de doses mais baixas, suficientes para o controle da sintomologia.

  • Crianças (acima de 2 anos de idade): o tratamento deve ser iniciado com doses baixas. O aumento das doses devem ser feitas de forma gradativa. A dose inicial ideal é de de 1 mg por kg ao dia, dividida em tomadas de 2 ou 3 vezes. O dose diária total não deve ultrapassar os 40 mg.

comprimido

A recomendação de uso em comprimido revestido é:

  • Adultos: a dose diária pode variar de 25 a 1600 mg ao dia, de acordo com as necessidades do paciente. O tratamento deve ser iniciado com doses baixas, entre 25 e 100 mg, divididos em 3 a 4 tomadas, até que se atinja uma quantidade útil para o controle dos sintomas do paciente – atingindo até a dose máxima de 2 g ao dia. Os pacientes costumam responder a dose diária de 0,5 a 1 g. Pacientes idosos ou debilitados devem receber a menor dose possível e útil para o controle de seus sintomas.
  • Crianças (acima de 2 anos de idade): o uso deve ser igualmente iniciado com aumento de doses de maneira gradual, chegando no máximo de 1 mg por kg do paciente, dividia em 2 ou 3 tomadas diárias. A dose diária não deve exceder a quantidade 40 mg.

Composição

composição do Clorpromazina

Cada comprimido revestido de Clorpromazina 25 mg contém: cloridrato de clorpromazina (28 mg). Excipientes: sacarose, amido de milho, dióxido de silício, lactose mono-hidratada, hipromelose, estearato de magnésio, laca branca de óxido de titânio, macrogol 20000 e corante amarelo crepúsculo FD&C n°6.

Cada ml de Clorpromazina gotas contém: cloridrato de clorpromazina (44,5 mg). Excipientes: sacarose líquida, ácido ascórbico, glicerol, álcool etílico 96° GL, essência de hortelã, caramelo e água purificada.  Contraindicação

O uso de Clorpromazina apresenta algumas indicações. Sua administração está contraindicada em casos de:

  • Em pessoas que apresentem riscos de retenção urinária
  • Pacientes com Glaucoma de ângulo fechado
  • Uso em conjunto com levodopa
  • Uso em casos de coma causado por barbitúricos e álcool etílicos
  • Casos de sensibilidade às fenotiazinas; depressão severa ou doença grave cardiovascular grave
  • Já em casos de câncer de mama, discrasias do sangue, problemas no fígado, doença de Parkinson, úlceras pépticas e distúrbios convulsivos. O médico deverá avaliar os riscos x benefícios do tratamento com a Clorpromazina, nessas situações
  • Clorpromazina deve ser empregado com cautela e supervisão médica em pacientes debilitados ou idosos

Precauções

O uso do medicamento requer a consideração de algumas precauções, que devem ser avaliadas pelo médico. Entre as principais precauções que exigem observação estão:

  • Em históricos de Acidente vascular cerebral (AVC): estudos  randomizados clínicos x placebo, feitos em uma população de idosos com demência em tratamentos, relevou a elevação de 3 vezes do risco de problemas cerebrovasculares. O aumento desses riscos pode ter se dado em razão de outras drogas antipsicóticas ou do uso Clorpromazina. Portanto, a administração do medicamento deve ser feito, nesse tipo de paciente, com cautela e supervisão.
  • Quadros de hipertermia apontam ocorrência de Síndrome Maligna (distúrbios vegetativos e palidez) com o uso de remédios neurolépticos. Nesses casos, a medicação deve ser imediatamente interrompida.
  • Estudos feitos com neurolépticos diversos relataram casos raros do prolongamento do intervalo QT com o uso.
  • Neurolépticos fenotiazínicos podem potencializar o prolongamento do intervalo QT, o que aumenta o risco de ataque de arritmias ventriculares graves do tipo “torsades de pointes”, que é potencialmente fatal (morte súbita). Caso a situação persista, o paciente deve passar por avaliação médica e exames laboratoriais para descartar a presença de eventuais fatores de risco antes do início do tratamento com um agente neuroléptico, como a Clorpromazina.

Outras Precauções

  • Pacientes hipertensos ou hipotensos devem, durante os primeiros dias de tratamento com Clorpromazina, deitaram por 30 minutos assim que administrarem a medicação. Isso evita possíveis mal-estar, tonturas ou desmaios.
  • Pacientes portadores de epilepsia devem passar por eletroencefalográfica, antes de iniciar o tratamento com Clorpromazina.
  • Clorpromazina não deve ser utilizado por mulheres gestantes ou em fase de amamentação.
  • Não é recomendado o uso concomitantemente com a ingestão de bebidas alcoólicas.
  • Pessoas em tratamento devem guiar veículos e operar máquinas com cautela, pois a medicação pode alterar as habilidades de direção e reação.
  • Clorpromazina deve ser administrado com cautela e supervisão em pessoas portadores da Doença de Parkinson, devido à idade avançada e riscos de sedação, hipotensão, problemas cardiovasculares e problemas nos rins ou no fígado.
  • Não está recomendado o uso em crianças menores de 2 anos de idade.
  • Tratamentos prolongados exigem controles hematológico e oftalmológico regulares.
  • Clorpromazina gotas deve ser usado com cautela por diabéticos, pois possui açúcar líquido

Efeitos colaterais do Clorpromazina

Clorpromazina é, geralmente, bem tolerado pela maioria dos pacientes, porém, pode ocasionar alguns efeitos colaterais. Algumas pessoas podem apresentar:  torcicolo, sonolência, queda de pressão arterial, alterações na libido, alterações no ciclo  menstrual, sensação de boca seca, efeitos de sedação, retenção urinária, ganho de peso, alergias cutâneas, ictericia, prisão de ventre, lesões nos rins, entre outros sintomas.

Qualquer reação desagradável com o uso deve ser obrigatoriamente comunicada ao médico, para orientações adequadas.

Superdosagem

A Superdosagem com Clorpromazina pode causar a  intoxicação aguda, além de sintomas como: hipotensão, depressão do sistema nervoso central e sintomas extrapiramidais.

Um serviço de atendimento médico de emergência deve ser imediatamente procurado no caso de Superdosagem. Podem ser adotadas medidas como a lavagem gástrica precoce. Não se recomenda a indução do vômito.

Ainda pode haver a necessidade da administração de medicações antiparkinsonianos para controlar sintomas extrapiramidais. Também podem ser usados estimulantes respiratórios (cafeína com benzoato de sódio ou anfetamina) – caso ocorra depressão respiratória.

Interação com outros remédios

O uso de Clorpromazina pode interagir com alguns outros medicamentos. Entre as principais alterações medicamentosas estão:

  • Associações Contraindicadas: Levodopa (apresenta antagonismo recíproco com administração concomitante com Clorpromazina).Também pode causar síndrome extrapiramidal, que é provocada por neurolépticos em geral. Recomenda-se não tratar o paciente com a Levodopa, pois os receptores de dopamina costumam ser bloqueados por medicamentos neurolépticos (como é o caso da Clorpromazina). Indica-se utilizar uma medicação anticolinérgica com Clorpromazina. Em pacientes  parkinsonianos que usam a Levodopa, não está recomendada a continuação com o tratamento com Levodopa junto com a Clorpromazina. Tal combinação pode agravar sintomas psicóticos, além da droga poder não fazer efeitos nos receptores bloqueados pelos neurolépticos em geral.
  • Associações Não Aconselhadas: efeitos sedativos dos neurolépticos podem ser potencializados com o consumo de bebidas alcoólicas.

O uso concomitante de Lítio com Clorpromazina pode causar hipertonia, síndrome confusional e hiper-reflexia.

O uso em conjunto de Sultoprida com síndrome confusional pode elevar o ritmo ventricular em razão da adição dos efeitos eletrofisiológicos.

Outras Interação com outros remédios

caixa de Clorpromazina

  • Associações que requerem cuidados especiais: O uso de medicações antidiabéticas em doses altas combinadas com cerca de 100 mg ao dia pode ocasionar o aumento de glicemia no sangue. O uso concomitante das medicações devem ser supervisionadas pelo médico. Em alguns casos é possível adaptar as doses dos remédios antidiabético durante  a terapia com neurolépticos.

O uso de Clorpromazina também pode causar interações com medicações para tratamento gastrintestinais, como: hidróxidos e óxidos de magnésio, cálcio e alumínio. Isso porque o uso concomitante de tais medicamentos pode levar a redução da absorção pelo trato  gastrintestinal dos neurolépticos fenotiazínicos, como o caso da Clorpromazina.

Recomenda-se, assim, administrar os medicações gastrintestinais e neurolépticas com intervalo de no mínimo  2 horas entre elas.

  • Associações a serem avaliadas: medicações Anti-hipertensivas podem causar efeito exageradamente hipotensor.

O uso de atropina e outras substâncias atropínicas, como anti-histamínicos H1 sedativos, antidepressivos imipramínicos,  antiespasmódicos atropínicos, antiparkinsonianos anticolinérgicos e disopiramida podem interagir com ele, ocasionando efeitos indesejáveis, como: prisão de ventre, retenção urinária e sensação de boca seca.

Outros tipos de medicamentos depressores do sistema nervoso central, derivados da morfina, sedativos, anti-histamínicos H1, ansiolíticos, barbitúricos, clonidina, hipnóticos, talidomida e metadona podem causar depressão do sistema nervoso central quando usados. Tal uso concomitante exige do paciente cuidados para guiar veículos ou operar máquinas.

O uso de Clorpromazina com Guanetidina pode causar a inibição das funções anti-hipertensivas da Guanetidina.

Armazenamento

Clorpromazina deve ser guardada em sua embalagem original. Manter o medicamento longe de umidade e da incidência direta da iluminação, para que os componentes da fórmula não sofram alterações.

Guardar o medicamente em locais com temperatura ambiente, entre 15 º C e 30 º C.

Atenção à data de validade. Medicamentos vencidos devem ser descartados.

Clorpromazina Preço

Clorpromazina gotas com frasco contendo  20 Ml custa cerca de R$ R$ 8,10. Já Clorpromazina comprimidos revestidos com embalagem contendo 20 comprimidos custa em torno de R$ 6,70.

Tais preços podem apresentar alterações conforme o estabelecimento que comercializa o produto.

Para adquirir Clorpromazina (em qualquer apresentação) são necessárias a apresentação e a retenção da receita médica.

Clorpromazina Genérico

Clorpromazina já se trata de uma versão genérica do medicamento. Outras medicações consideradas “de marca” e com a mesma composição podem ser encontradas no mercado, como é o caso do Amplictil (fabricado pelo Laboratório Sanofi).

Pergunta dos leitores

Clorpromazina engorda?

Clorpromazina pode gerar o aumento de peso em alguns pacientes.  Porém, o ganho de peso depende da resposta de cada paciente ao medicamento e é, geralmente, um problema controlável, mantendo-se uma alimentação balanceada.

Clorpromazina é indicado para soluços?

Sim, Clorpromazina tem como uma das indicações o tratamento de soluços persistentes.